ARTIGO 29. O Moção para julgamento de absolvição

Data obsoleta: 3/1/2011

(a) antes da apresentação ao júri. Depois que a acusação fecha suas provas ou após o encerramento de todas as provas, o tribunal sobre a moção do réu deve entrar em um julgamento de absolvição de qualquer crime para o qual a evidência é insuficiente para sustentar uma condenação. O tribunal pode, por si só, verificar se as provas são insuficientes para sustentar uma condenação. Se o tribunal negar uma moção para uma sentença de absolvição no final das provas da acusação, o réu pode oferecer provas sem ter reservado o direito de fazê-lo.(‘) Decisão de reserva. O tribunal pode reservar decisão sobre a moção, prosseguir com o julgamento (onde o movimento é feito antes do encerramento de todas as provas), submeter o caso ao júri, e decide o movimento ou antes de o júri retorna um veredicto ou depois ele retorna com um veredicto de culpado ou é descarregada sem ter retornado a um veredicto. Se o tribunal se reserva da decisão, deve decidir a moção com base nos elementos de prova no momento em que a decisão foi reservada.

(C) após o veredicto do júri ou a quitação.

(1) está na hora da moção. Um réu pode pedir uma sentença de absolvição, ou renovar tal moção, no prazo de dez dias após um veredicto de culpa ou depois do Tribunal demitir o júri, o que for mais tarde.

(2) decisão sobre a moção. Se o júri tiver dado o veredicto de culpado, o tribunal pode anular o veredicto e declarar-se absolvido. Se o júri não tiver pronunciado o veredicto, o tribunal pode proferir um acórdão de absolvição.

(3) Não É Necessário Qualquer Movimento Prévio. Um réu não é obrigado a se mover para uma sentença de absolvição antes do Tribunal submete o caso ao júri como um pré-requisito para fazer tal moção após a quitação do júri.

(d) decisão condicional sobre uma moção para um novo julgamento.

(1) moção para um novo julgamento. Se o tribunal proferir um acórdão de absolvição após um veredicto de culpa, o tribunal deve também determinar condicionalmente se qualquer moção para um novo julgamento deve ser concedida se o acórdão de absolvição for posteriormente desocupado ou revertido. O Tribunal de justiça deve especificar as razões dessa determinação.

(2) finalidade. O despacho do Tribunal de Justiça que condiciona a apresentação de um novo julgamento não afecta a finalidade do acórdão de absolvição.

(3) Recurso de decisão do Tribunal de primeira instância.

(a) concessão de uma moção para um novo julgamento. Se o tribunal condicionalmente concede uma moção para um novo julgamento e o Tribunal de recurso mais tarde reverte o acórdão de absolvição, o Tribunal de julgamento deve prosseguir com o novo julgamento, a menos que o Tribunal de recurso ordena o contrário.

(B) negação de uma moção para um novo julgamento. Se o tribunal negar condicionalmente uma moção para um novo julgamento, um applee pode afirmar que a negação foi errônea. Se o Tribunal de recurso reverter posteriormente o acórdão de absolvição, o Tribunal de julgamento deve proceder como o Tribunal de recurso dirige.

Data obsoleta: 3/1/2011 (a) antes da apresentação ao júri. Depois que a acusação fecha suas provas ou após o encerramento de todas as provas, o tribunal sobre a moção do réu deve entrar em um julgamento de absolvição de qualquer crime para o qual a evidência é insuficiente para sustentar uma condenação. O tribunal pode,…

Data obsoleta: 3/1/2011 (a) antes da apresentação ao júri. Depois que a acusação fecha suas provas ou após o encerramento de todas as provas, o tribunal sobre a moção do réu deve entrar em um julgamento de absolvição de qualquer crime para o qual a evidência é insuficiente para sustentar uma condenação. O tribunal pode,…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.